quinta-feira

O Castelo de Palmela




por João Aníbal Henriques

Altaneiro no cimo da Serra de São Luís, o Castelo de Palmela é, provavelmente, aquele que tem o melhor enquadramento cenográfico natural de Portugal. Com vista privilegiada para o Estuário do Sado, controlando as Serras da Arrábida e as terras de Tróia, o castelo apresenta características típicas das várias épocas construtivas a que foi sujeito.

A ocupação original do espaço, provavelmente da época Neolítica, ainda em período Pré-Histórico, enquadra-se na vivência mais comum deste tipo de construções, aproveitando a sua situação estrategicamente relevante para, num laivo de recrudescimento de eventuais posturas, se impor perante a envolvência e definir em seu turno uma vasta área de paz e de prosperidade.




A ocupação deste local é, assim, linear e contínua ao longo dos séculos, com focos permanentes de ocupação humana que lhe foram conferindo, através das suas intervenções na paisagem, a forma e as características que hoje apresenta.

Depois de Visigodos e de Muçulmanos terem feito de Palmela uma povoação de destaque no contexto da ocupação humana do território agora Português durante a Idade Média, foi na época conturbada da reconquista que se definiram em definitivo as suas dinâmicas de ocupação e de desenvolvimento.



Quando Dom Afonso Henriques, no esforço de reconquista das Terras de Portugal, derruba Lisboa, em 1147, abriu caminho para outras lutas e vitórias, que se estenderam, ainda na mesma data, a Sintra, Alenquer e Palmela.

Mas foi sol de pouca dura… a sua posição privilegiada na paisagem e a situação estratégica na defesa das entradas por mar via Rio Sado, tornavam Palmela demasiado importante para que a reconquista Cristã fosse facilmente concretizada e definitiva. Estratégias de contra-ataque, numa tentativa permanente de recuperar esta peça tão importante para a afirmação do poderio militar muçulmano, tornaram este castelo alvo de vários episódios sangrentos de conquistas e reconquistas, passando sucessivamente de mão para mão com evidentes prejuízos para a população e para a paz do local. Depois de recuperada pelos Árabes, Palmela foi reconquistada e novamente perdida pelas forças da Cristandade em 1158 e em 1165, data em que o Rei Dom Sancho I, numa tentativa fugaz de condicionar o destino do local, entrega o castelo à Ordem Militar de Santiago.

Mesmo assim, perante o poderio inaudito do líder muçulmano Abu Yusuf Ya’qub al-Mansur, voltou a cair nas mãos do inimigo e só em 1205 entrou em definitivo em mãos Cristãs.




Mas mesmo assim não foram de paz permanente os tempos do Castelo de Palmela. Mesmo depois de estar definitivamente integrada no Reino de Portugal, foi alvo de investidas e ataques que a desfiguraram, gerando um clima de insegurança e de incerteza que se prolongou pelos tempos. Em 1382, durante o reinado do Rei Dom Fernando, as tropas Castelhanas saquearam a cidade o o seu castelo, produzindo um índice de devastação que desfigurou de forma perene a estrutura defensiva daquele baluarte, obrigando à realização de obras profundas com vista à sua recuperação e ao reforço da sua capacidade de resistência às investidas dos inimigos, que lhe confeririam o aspecto que hoje lhe conhecemos.

Em 1384, novamente no âmbito de um cerco que punha em causa da sobrevivência do próprio Estado de Portugal, foi dos torreões do Castelo de Palmela que Santo Condestável Dom Nun’Álvares Pereira, o monge consagrado à devoção de Maria, avisou o Mestre de Aviz da chegada dos Castelhanos, acendendo ali enormes fogueiras que foram vistas a partir de Lisboa.




O Castelo de Palmela é, desta forma, uma das peças mais interessantes do património militar Português. Não só pelas características específicas que denotam a conturbação de quase dois mil anos de uma história pouco fácil, mas também pela sua intervenção específica nos destinos que a História reservou a Portugal.








quarta-feira

Joaquim António Pereira Baraona (1930-2018)


por João Aníbal Henriques

O Comendador Joaquim Baraona nasceu em 1930, em Ourique, e era orgulhosamente um alentejano dos quatro costados. Quando chegou a Cascais, onde veio criar a Conservatória do Registo Predial, assumiu de Alma-e-Coração esta terra de adopção onde deixou uma marca perene e extraordinária que o triste dia de hoje não vai conseguir abalar.

Em Cascais, quase tudo transborda com os ecos do trabalho, do empenho e da paixão do Comendador Baraona. A antiga maternidade onde nasceram milhares de Cascalenses; o hospital; as conservatórias; os bairros sociais; as academias e as colectividades; o jornais, as revistas e a imprensa local; os movimentos cívicos e de cidadania; as grandes causas que acenderam os ânimos e mudaram a face da Nossa Terra… Por todos os lados, em todos os cantos e recantos de Cascais existe obra do Comendador Baraona.

E para além desta, da qual ele passava sempre ao lado, como se não fosse coisa sua mas que todos sabiam e nela reconheciam a sua intervenção, um vastíssimo legado de entrega à comunidade, ao próximo, a Cascais e a Portugal que ele nunca permitiu que se soubesse que tinha sido ele. Generoso como só ele sabia ser, foram milhares aqueles a quem ele literalmente salvou nos piores momentos, exigindo somente discrição nesses actos, para que ninguém soubesse a grandiosidade indescritível que ele sabia ter.

Não existem palavras no léxico Português onde caiba a obra e o legado do Comendador Joaquim Baraona. Porque ela, sendo reconhecidamente enorme na parte pública, era incomensuravelmente maior na componente que poucos tiveram a sorte de conhecer…

Joaquim Baraona, foi erudito, académico, escritor, diplomata, político, empresário, benfeitor e tantas outras coisas onde expressou a profundidade da sua excelência. Foi condecorado pela Presidência da República como reconhecimento público pela sua obra e, depois da revolução, perseguido de forma injusta pelos mesmos motivos.

Soube, porque era figura maior do que os pequenos personagens com quem se cruzou na vida toda, virar a página e abraçar Portugal como causa sua, continuando, praticamente até ao último dia, a trabalhar a favor de toda a gente.

O dia de hoje é marcante para Cascais e para Portugal. Já nada voltará a ser com era. O desaparecimento físico do Comendador Joaquim Baraona representa o fim definitivo de uma era e, para desgraça dos que cá ficam com a sua boa memória, a certeza absoluta de que é insubstituível para sempre.

Que descanse em paz. Porque o merece.

A bem de Cascais.

quinta-feira

A Porta da Ravessa no Redondo




por João Aníbal Henriques

Parte integrante do antigo Castelo do Redondo, no Alentejo, a Porta da Ravessa é, mercê de uma acção de marketing associada a uma marca de vinhos, um dos mais conhecidos e procurados monumentos históricos daquela região.

Marcando inicialmente a linha da frente na defesa das fronteira nacionais, num sistema complexo que integrava ainda os castelos de Estremoz, Monsaraz e Portel, o Castelo do Redondo apresenta uma formulação espacial simples, promovendo a integração do núcleo urbano mais antigo da localidade. Tendo feito parte do conjunto de fortalezas recuperadas pelo Rei Dom Dinis no Século XIV, terá tido a sua origem em período muito mais recuado, provavelmente durante o domínio muçulmano , aproveitando uma possível estrutura defensiva de carácter mais precário que ali havia sido construída pelos romanos.




A estrutura actual, no entanto, mantendo basicamente inalterada a traça original, deverá bastante mais recente, reforçando a convicção generalizada de que a povoação que hoje temos resulta de um processo histórico marcado pela consolidação da nacionalidade já no final da Idade Média.

A Porta da Ravessa, localizada a Norte do recinto amuralhado, também é conhecida como Porta do Sol, definindo a protecção do eixo viário que ligava Évora a Badajoz. Nela se centrava, pelo enquadramento urbano de que é peça central, a estrutura administrativa da localidade, facto ainda hoje visível na presença das marcas da vara e do côvado que fomentam a celebridade deste monumento.

Expressão maior das potencialidades do Alentejo, a Porta da Ravessa é um bom exemplo da forma como o património histórico se afigura essencial na determinação da Identidade e da Cidadania, num processo mais amplo e pragmático que determina a condição essencial da própria democracia. 

segunda-feira

A Anta da Pedra da Orca em Gouveia




por João Aníbal Henriques

A Anta da Pedra da Orca, também conhecida na região como Dolmen do Rio Torto, é um dos mais importantes monumentos do Concelho de Gouveia. A definição estrutural da história da comunidade, marcada de forma evidente pela presença deste monumento megalítico, é bem visível na forma como o designativo do local se impõe como topónimo espacial, até porque, sendo sinónimos as palavras anta e orca, derivam ambos da referência expressa ao megalítico que dá corpo a este espaço, e que desde há muito foi marca perene no devir quotidiano da localidade.

Analisada pela primeira vez ainda em pleno Século XIX pelo ilustre investigador minhoto Martins Sarmento, que por ali deambulou em busca das origens primevas da portugalidade, a Anta da Pedra da Orca foi alvo de posteriores investigações sob a tutela de Maximiliano Apolinário, que ali encontrou vários vestígios arqueológicos de grande importância e que actualmente se podem ver no Museu Nacional de Arqueologia em Lisboa.




Composto basicamente por pontas de seta, fragmentos cerâmicos e restos de ossadas humanas, o espólio encontrado nesta anta reforça a sua datação como originária do final do período Neolítico, com cerca de 8000 anos, enquadrando-se tipologicamente nas estruturas comuns desse período existentes por toda a Península Ibérica. A sua estrutura pétrea, da qual subsistem alguns dos esteios que suportavam a grande pedra de fecho, estaria originalmente tapada por uma grande quantidade de terra e pequenas pedras que, configurando uma espécie de monte artificial, teria como principal função a de dissimular o monumento na paisagem, evitando assim a sua identificação e o eventual saque que dela resultasse.

A câmara, ou seja, o espaço central da anta, teria uma funcionalidade eminentemente funerária, servindo para a deposição dos restos mortais dos membros da comunidade local, num contexto simbólico que denota já uma alargada capacidade simbólica e que exigia necessariamente uma estruturação social complexa e bem organizada. O corredor de acesso, numa alusão simplificada ao canal vaginal feminino, supõe uma ligação perene entre à ritualidade ligada aos cultos da fertilidade, presumivelmente em linha com os cultos da Deusa-Mãe e da mitologia associada ao eterno feminino cujos vestígios surgem amiúde em outras antas espalhadas por todo o território nacional.

Nesta perspectiva, em que os cultos matriarcais prevalecem, assume especial importância a sua localização numa das encostas Nascentes da Serra da Estrela, simbolicamente conotada com essa vertente feminina e que determinou de forma evidente toda a simbólica religiosa que virá a caracterizar as comunidades humanas que ali se instalam em períodos subsequentes. É esta Deusa-Mãe, cujo útero úbere se enche de vida num processo mágico que o Homem de então desconhece, quem define a ligação simbólica mas pragmática que os povos desta região desenvolveram com a mitologia de origem feminina e que, depois da queda do Império Romana e da Cristianização do território peninsular, se vai paulatinamente adaptando aos novos uso e costumes, adoptando a essência mais profunda de uma associação que a aproxima da figura primeva da Mãe de Jesus, ou seja, de Nossa Senhora…




E, se a Rainha e Padroeira de Portugal é Nossa Senhora desde 1640, é certo também que a devoção mariana conflui no Portugal que hoje temos precisamente para o designativo de Nossa Senhora da Conceição ou seja, numa calara alusão ao carácter fértil da Mãe de Deus, recriando assim uma ponte simbólica entre aquela que se assume como a principal das linhas de pensamento religioso actual e estas primitivas expressões do sagrado nas comunidades. Em suma, é a mesma devoção sagrada, numa expressão de mistério que impõe a ultrapassagem das barreiras do tempo para, no âmbito de um contexto comum, juntar comunidade cujas vidas estão separadas por espaços de vários milhares de anos, mas que convergem na sua capacidade de identificar a divindade nos mesmos pressupostos e de para eles encaminhar a expressão mais profunda da sua Fé.

O regresso às origens, ao útero materno e ao mundo interno configurado pelo ninho escuro do ventre materno, transforma-se assim num processo de recondicionamento da própria vida. Quem nasce, necessariamente cresce, vive e morre, regressando então às suas origens num périplo de retrocesso à primitiva pureza original. A anta, de uma forma geral, e esta de Gouveia em particular, é assim o primeiro pilar estrutural de uma forma de pensamento que dará corpo àquilo que são hoje os alicerces da própria humanidade, ajudando a compreender a complexificação das relações entre os homens a partir da forma como eles expressam o seu entendimento pelos mistérios maiores da vida (ou das vidas) que vão vivendo.

No caso específico da Anta da Pedra da Orca, a ligação ancestral à estrela ainda aprofunda mais esse pressuposto. A estrela, simbolicamente expressando a forma da luz primordial e inacessível, ou seja, a candeia que acompanha o homem no se percurso final em direcção ao céu, é fundamentalmente um apelo à condição primordial da dependência da vida relativamente à mulher. Não há vida, nem trabalho, nem prosperidade sem a mágica sublime da concepção e do nascimento. E, da mesma maneira, nada disso existente sem a condicionante final da morte, expressão sublime da existência humana, exigindo assim sistemas complexificados de pensamento que ajudem a explicar e a perceber um fenómeno que, sendo transversal a todos os seres humanos, é por eles entendido de forma incipiente.

As ossadas humanas encontradas no espólio da Anta da Pedra da Orca são, por isso, os vestígios que restam das comunidades que certamente durante várias gerações utilizaram este monumento como espaço funerário, sendo que os restantes objectos votivos, principalmente as pontas de seta e os recipientes cerâmicos que ali foram descobertos, teriam uma funcionalidade efectiva na vida subsequente daqueles que ali eram depositados, num regresso ao colo materno, quando a morte de aproximava e a vida chegava ao seu fim definitivo e terreno. Os construtores neolíticos, ainda tão primitivos tecnicamente quando comparados com aqueles que lhes sucederam, tinham já nessa época a convicção profunda da dualidade espírito-corpo que actualmente define as religiões modernas, consignando a morte como um mero momento num percurso ou caminho mais longo e amplo em direcção à eternidade espiritual dos que morreram.




Por tudo isto, mais do o impacto maravilhoso que este monumento impõe sobre quem o visita, a Anta da Pedra da Orca, em Gouveia, representa de forma subtil a operação maior pela qual o homem passou em direcção à humanização que hoje temos. E, definindo de forma rigorosa a via que a isso levou, num percurso necessariamente longo e complexo, mostra-nos com exactidão o papel que nesse desiderato desempenhou a comunidade que habitava naquela região do actual território português.


É que, não sendo ainda o Portugal que hoje temos, é já o embrião totalmente perfeito dos Portugueses que hoje temos a capacidade de ser. 

sexta-feira

O Castelo de Noudar em Barrancos




por João Aníbal Henriques

Existem poucos monumentos em Portugal como o Castelo de Noudar, situado no Concelho de Barrancos, no Alentejo profundo. A sua situação geográfica, situada estrategicamente junto à raia Espanhola, associada a um cenário paisagístico profundamente impressivo e impactante, fazem deste recanto um dos mais encantados monumentos de Portugal.

Com uma história muito longa, que os vestígios arqueológicos comprovam ter-se iniciado ainda durante a Pré-História e durante o período da primeira ocupação humana no actual território português, o Castelo de Noudar que hoje vemos é o resultado de sucessivas campanhas de construção e reconstrução que remontam à ocupação romana e que os Visigodos e mais tarde os Muçulmanos, vieram a adaptar às suas necessidades.




Situado na confluência da ribeira de Múrtega e do Rio Ardila, numa elevação do terreno que lhe confere enorme visibilidade sobre o território envolventes, o castelo é uma espécie de sentinela avançada de Portugal, representando um papel essencial na definição do controle territorial nacional perante as constantes investidas do país vizinho.

Constantemente alvo de ataques e de contra-ataques, numa luta permanente pela independência, nunca foi fácil a via em Noudar. A vila nascida dentro das suas muralhas, detentora de um poder civil amplamente reconhecido pela Coroa Nacional, foi sempre reforçando a sua importância política, facto que explica a elevada taxa populacional que foi sempre apresentando ao longo dos seus muitos séculos de história.




Em termos urbanísticos, com a sua estrutura simples, Noudar configura-se em torno da sua torre de menagem e dos edifícios de cariz oficial que governavam o seu território. A cadeia, ainda hoje um ex-libris da velha povoação, assume especial importância sobre tudo num espaço no qual a força da Lei era imperativo maior na manutenção da qualidade de vida dos cidadãos, apesar da distância quase absurda que medeia entre aquele lugar e os principais pontos do poder administrativo Nacional.

A antiga alcáçova, aberta na zona mais central da antiga localidade, compõe um quadro romântico que se acentua pelo cenário de ruínas que actualmente caracteriza o povoado.

Quando Gonçalo Mendes da Maia, conhecido historicamente como o “lidador”, a conquistou em 1167, Noudar era uma povoação essencial para o reforço da autonomia nacional. O controle da estrada que ligava a sede episcopal em Beja com a centralidade política espanhola, fazia da povoação um dos pontos-chave na estratégia de definição territorial Cristã, recriando em seu torno um complexo sistema de rentabilização económica do espaço que não deixa indiferentes os principais poderes políticos daquela época. É, por isso, apetecível a ocupação de Noudar, assim se mantendo durante muitos séculos.

Em 1644, por ocasião da Guerra da Independência, o usurpador Espanhol manteve Noudar sobre a sua tutela. E a libertação da localidade, acontecida somente em 1715 no âmbito do Tratado de Utrecht, concretiza-se depois de uma acção de destruição massiva das principais estruturas da povoação. Este facto, aliado a uma pretensa epidemia de natureza desconhecida que afectou simultaneamente a população, terá determinado a extinção oficial da vetusta vila, facto que dará origem a um processo paulatino de despovoamento que se prolongará durante algumas décadas e do qual, por exclusão de partes, resulta o florescimento da vizinha Vila de Barrancos da qual este território faz actualmente parte.




Noudar é actualmente uma espécie de Castelo Encantado perdido nos alvores da modernidade Portuguesa. Desde o Século XVIII, quando a sua extinção administrativa aconteceu, não mais foi alvo de intervenções que ali tenham construído novas edificações. Mantém, por isso, os traços antigos de um espaço perdido no tempo, assumindo-se como ruína romântica de uma era longínqua cuja memória se foi perdendo ao longo dos tempos…

Da sua memória mais ancestral, provavelmente reforçada com a aura misteriosa que o seu abandono configurou, faz parte uma lenda maior do Alentejo marcante e profunda onde a mesma sua desenvolve. Ainda hoje, tantos séculos depois de se ter transformado numa imensa ruína perdida no tempo, há quem afirme convictamente que em certas noites do ano, quando o calor do estio se prolonga noite adentro, é possível ver, no topo da sua torre de menagem, a figura esbelta de uma cobra altiva que, com um toutiço na cabeça, vai dançando fantasmagoricamente à luz do luar!

E essa cobra, que a sabedoria popular diz que é uma princesa moura encantada, encaixa de forma perfeita na estória da lendária moura Salouquia cuja vida terminou de forma abrupta quando, no calor imenso das guerras da reconquista, se terá suicidado atirando-se para a morte do alto da torre do Castelo de Moura. A princesa encantada, maravilhosa na formulação que dela faz o imaginário popular, não morreu como era a sua vontade a fugir dos atacantes Cristãos que se preparavam para tomar a sua cidade. Por artes mágicas, ter-se-á transformado numa cobra ao tocar no chão e, dessa maneira, contornando a perniciosa forma da morte, fugiu rastejando através dos plainos férteis do Alentejo até Noudar, onde ainda hoje se prepara todas as noites para receber o seu noivo oriundo do território do Islão!




Qualquer que seja a verdade associada a esta história lendária, o certo é que o Castelo de Noudar, classificado como Monumento Nacional desde 1910, carrega consigo o encantamento que o deslumbre da sua monumentalidade deixa transparecer. As suas muralhas velhas, gemendo ano após ano as agruras terríveis do frio do Inverno e o calor insuportável do Verão alentejano, ainda ecoam de forma sublime as vozes avoengas dos que nos precederam, toldando com a sua aura de mistério alguma razão de que pudéssemos fazer uso quando as visitamos. A impressão causada pela antiga vila abandonada de Noudar é de tal forma grande, com o peso ancestral da sua História e das suas estórias, que se torna difícil (senão impossível) manter o discernimento do que é real naquela amálgama de emoções que o espaço transparece.




Visitar Noudar, agora que as intempéries determinaram um triste fim para as ruínas que subsistiram ao longo de tantos séculos, é recuar muitas centenas de anos no tempo, pisando de forma sensível as mesmas pedras tal como outrora outros fizeram e recuperando memórias de outras eras.

É, enfim, uma autêntica máquina do tempo que, com a magia própria que emana das coisas verdadeiras, representa uma experiência sensorial irrepetível, prenhe daquilo que enche a Alma de qualquer Português.

quarta-feira

A Via-Rápida de Cascais: Vícios Suburbanos numa vila (ainda) especial...




A inauguração do CascaisVilla, em Novembro de 2001, representou o culminar de uma verdadeira revolução urbanística em Cascais. A substituição da antiga Rua Padre Moysés da Silva, com os seus saudosos relvados sempre bem cuidados, pela nova Avenida Dom Pedro I, com o seu perfil de via rápida em pleno coração da vila, inverteu por completo a urbanidade de Cascais, transformando drasticamente a velha e charmosa urbe em mais um moderno e incaracterístico subúrbio de Lisboa.

A nova porta de Cascais, encabeçada pelo popularíssimo “Titanic”, foi projectada para facilitar a entrada de automóveis na vila, deixando para segundo plano as preocupações com os peões e com o carácter antigo desta vila tão especial. As quatro filas de trânsito paralelas, atravessadas somente por quatro míseras passadeiras de peões, promovem a velocidade automóvel e dividem literalmente a velha povoação em duas partes desiguais.

Os semáforos foram pensados para deixar os nervos em franja a qualquer incauto passeante. O intolerável tempo de espera para os peões, aliado à falta de sincronização entre as passagens, faz com que a travessia da avenida demore tanto tempo que a maior parte das pessoas acaba por corajosamente atravessar com sinal encarnado pelo meio dos carros. Quando colocados perante a morosidade dos semáforos, os estrangeiros que ali chegam pela primeira vez e todos aqueles que não conhecem este pesadelo suburbano de Cascais, concluem geralmente que estes estão avariados e também eles empreendem a perigosa passagem…

E como se tal não fosse suficiente, decidiu-se juntar à confusão uma espécie atabalhoada de central de camionagem que, localizada no piso inferior do centro comercial, usufrui de um acesso literalmente encaixado à força e de forma abastardada no projecto inicial, criando uma zona de trânsito semi-condicionado e muito inseguro que poucos percebem e que ajuda a fomentar a precariedade de todo o espaço.




Mas, não bastando o carácter inusitado de toda esta situação, o recém-aprovado PDM de Cascais, ainda promove o agravamento da situação (Ver AQUI). Os parâmetros urbanísticos previstos para este local, ao invés de reverterem a situação e de devolverem a Cascais a dignidade urbana própria que a vila merece, multiplicam este carácter suburbano, potenciando o aumento da construção.

Poder-se-ia dizer que toda esta situação poderia ser facilmente resolvida a bem de Cascais e da sua população. E é verdade. Mas, embora as críticas sejam muitas e o rebuliço partidário se acenda a cada 4 anos, o certo é que ninguém ousou fazer as coisas de maneira diferente.

A Vila de Cascais, que durante muitas décadas foi local de charme e de reconhecida qualidade urbana e comercial, vem-se transformando aos poucos em mais um subúrbio desinteressante e incaracterístico de Lisboa. Os danos colaterais, bem visíveis no paulatino desaparecimento do comércio tradicional e no aumento da insegurança urbana, afectam a qualidade de vida de todos os Cascalenses, comprometendo a vocação turística municipal.

Mas, ao que parece, é mesmo esta a infeliz opção…  




Passadeiras? Para peões?...

As quatro passagens de peões existentes nesta via-rápida são insuficientes e foram desenhadas para potenciar o tráfego automóvel. O tempo de espera para peões, agravado com a falta de sincronização das mesmas, faz com que para muitos a única opção seja o atravessamento com luz encarnada, pondo em risco a sua vida e a daqueles que circulam nos carros. É intolerável!

Mouros e Romanos em Assentiz – Rio Maior




por João Aníbal Henriques

Sendo certo que as memórias mais antigas do actual Concelho de Rio Maior se perdem nas brumas do tempo, existindo vestígios antiquíssimo de actividade humana que remontam ao primórdio da instalação dos primeiros homens sobre a Terra, é mais certo ainda que tal ancestralidade promove uma história que mistura factos com lendas, recriando uma espécie de cenário maravilhoso que enriquece a Identidade local.

Em cada canto e recanto destas terras, provavelmente em estreita ligação com a fertilidade do solo e com a sua extraordinária capacidade produtiva, existem tesouros escondidos e memórias ocultas de princesas mouriscas que de tempos a tempos insistem em nos maravilhar.

É o que acontece em Assentiz, a mais recente freguesia do município de Rio Maior. Situada em zona próxima da Vila da Marmeleira, e beneficiando da mesma ligação férrea à força telúrica da terra, Assentiz desenvolve-se sobretudo a partir do Século XVIII, acompanhando o desenvolvimento da casa senhorial que mais tarde dará lugar ao Morgado de Assentiz. É, pois, esta ligação profunda à terra e aos ciclos da natureza que vem determinar os fluxos de desenvolvimento do local, muito embora os vestígios que subsistem, bem como a documentação que se preservou, permitam supor que a génese de tudo surge em momento bastante anterior.




A presença romana em terras de Rio Maior, bem atestada pelos vestígios arqueológicos existentes, desenvolve-se a partir da antiga estrada que ligava Lisboa, Santarém e Coimbra, determinando assim que o atravessamento daquelas que são agora as fronteiras desta concelho levassem ao reconhecimento da sua riqueza e fertilidade.

De facto, junto à actual localidade de Assentiz, podemos encontrar os restos do que popularmente se designa como a “Ponte Romana”, ligando as margens do ribeiro que por ali passa. A Ponte Romana de Assentiz, originalmente com dois arcos que um cataclisma acontecido no Século XVIII terá reduzido a um só, será assim um dos vestígios centrais da presença dos invasores itálicos nesta parte do território rio maiorense. Mas, tal como acontece amiúde com este laivo de deslumbramento lendário que envolve as terras de Portugal, parece que a dita estrada não passava exactamente neste lugar e, nesse caso, a ponte em questão terá uma origem diferente daquela que a sabedoria popular lhe atribui.

Qualquer que seja o caso, é importante ressalvar que a memória associada a este monumento é indestrutível, tal como o são os inúmeros vestígios da presença dos Romanos em território de Rio Maior. E a ponte, tenha sido construída durante a ocupação Romana ou, como alguns investigadores advogam, somente durante o reinado da Rainha Dona Maria I, já em pleno Século XIX, contribui de forma decisiva para o reforço da Identidade local, promovendo a ligação intrínseca entre o povo que ali habita e as memórias ancestrais que deram lugar à construção da monumentalidade actual.




No caso da Fonte Mourisca, local de rara beleza que mistura a sua lendária origem com um enquadramento cenográfico sem par, a situação é tendencialmente idêntica. Reza a tradição popular que a fonte será de origem moura e terá sido construída alguns anos antes da reconquista cristã do território de Portugal. Mas, se na sua formulação simbólica a dita fonte carrega consigo o peso das inúmeras lendas que povoam a imaginação de quem visita o local, a sua estrutura, associada a um tanque cuja origem terá estado no processo de desenvolvimento agrícola que o senhorio de Assentiz terá trazido para a povoação, parece apontar para uma origem mais recente, na qual surge incauta uma ligação ela sim antiga aos ritos da água na sobrevivência rural do seu povo.

Qualquer que seja a realidade associada ao monumento, certo é que as lendas sobrevivem ao real e, no caso da Fonte Mourisca de Assentiz, povoam o imaginário popular de histórias que se misturam com factos numa amálgama de deslumbramento que não deixa ninguém indiferente.




Diz a lenda que no local onde actualmente se situa a fonte, terá existido um antiquíssimo assentamento mouro que teia como função defender aquelas terras da investida dos Cristãos. E que, no fulgor da batalha empreendida pelo primeiro Rei de Portugal, terão os mouros fugido deste local, deixando atrás de si uma imensidão e tesouros que, apesar de nunca terem sido vistos, são desde logo pilares estruturais do imaginário popular. De acordo com esta história, existiria por ali, provavelmente aproveitando a nascente que alimenta a estrutura actual, uma gruta profunda que era utilizada como espaço para guardar material. E os mouros, perseguidos de forma indefectível pelo cavaleiros cristãos, optaram por utilizá-la para ali esconder as riquezas imensas que haviam conseguido alcançar durante a sua estada em terras de Portugal.

Ora, como é fácil de perceber, até porque a presença sarracena nestas terras se prolongou ao longo de muitos séculos, não se trata propriamente de uma utilização temporária de um espaço no qual as pilhagens serviam de instrumento único para a obtenção de riquezas sem igual. Pelo contrário. Os muitos séculos da presença islâmica indicam precisamente um assentamento longo e definitivo, com ciclos de vários gerações a explorar a terra e o espaço e a considera-lo como coisa sua definitivamente e em carácter de permanência final. Assim sendo, qualquer tesouro extraordinário que os Árabes tenham deixado em Assentiz derivaria da força do seu trabalho, da sua dedicação à terra e dos ciclos de riqueza que geracionalmente haveriam de resultar da pacatez da sua vida rural. Isso explica a herança ao nível das técnicas agrícolas, dos pressupostos linguísticos, dos usos e costumes, etc.




Por isso, e contrariando a voz popular, a haver tesouro, nunca ele poderia ser o manancial extraordinário de riquezas que a lenda faz por descrever…

O conjunto formado pela fonte com as suas três bicas, os tanques de lavagem de roupa e a mãe-de-água que os abastece foi totalmente recuperado nos últimos anos e apresenta-se hoje como um bom exemplo do que com o património se pode fazer. Ponto central da vida comunitária de Assentiz, uma vez que durante muitas décadas era ali que a população ia buscar a sua água e era também ali que se lavava a roupa de toda a gente, a fonte é hoje um ponto incontornável nas memórias da terra.




Os romanos e mais tarde os mouros, que certamente deambularam noutros tempos por estes espaços extraordinários do município de Rio, decerto teria dificuldade em reconhecer o Assentiz que hoje temos.

Mas, mais importante do que os factos que contrariam as lendas, é que neste dois monumentos ímpares de Rio Maior, estão concentrados os arquétipos ancestrais da Identidade deste concelho bem como os sonhos, as memórias e o ensejo das suas gentes.

E é isso o mais importante em qualquer terra! 

terça-feira

Artur de Azevedo Rua - A capacidade de concretizar o impossível em Cascais


por João Aníbal Henriques

Pontualmente, geralmente quando menos se espera, surgem Cascalenses que transcendem a natural passagem do tempo. Por determinação férrea e uma exemplar entrega à comunidade, concretizam os impossíveis, mudando vidas e oferecendo ao Mundo e a esta Nossa Terra caminhos novos e alternativos que perduram ao longo de muitas gerações. Foi o que fez o Dr. Artur de Azevedo Rua, médico saudoso que revolucionou a cirurgia ortopédica, e que foi um dos principais responsáveis pela saúde na Nossa Terra.

Nascido em Lisboa em 1901, Artur de Azevedo Rua chegou a Cascais em 1927 para prestar serviço no então designado Sanatório António José de Almeida. Médico de formação e cirurgião por devoção, especializou-se nessa área na equipa do Dr. Francisco Gentil, tendo feito parte da equipa pioneira que dá forma aos Hospitais Civis de Lisboa.

Atento às necessidades mais prementes da comunidade onde veio viver, Azevedo Rua encontra na Parede o microclima especial que faz daquele recanto um dos mais conceituados espaços para o tratamento de problemas ósseos e de pele. A partir do sanatório onde desenvolve a sua prática médica, aprofunda de forma extraordinária o conhecimento científico acerca da tuberculose óssea, importante enfermidade que nessa época flagelava a população Portuguesa, tendo mais tarde construído uma clínica na Parede para onde confluíam grande parte daqueles que não encontravam noutro lado uma resposta cabal para os seus padecimentos.




E, como quase sempre acontece com todos os grandes Cascalenses, assume como causa sua este combate, não temendo lutar contra o que quer que seja para que se torne possível recriar em Cascais o espaço ideal para o tratamento desta doença. Literalmente contra tudo e contra todos, pois nessa altura para além dos constrangimentos próprios de um Portugal atrasado em termos científicos, o Concelho de Cascais vivia num letárgico imobilismo que convinha à maioria desses tempos, o Dr. Azevedo Rua empreende uma autêntica revolução na saúde local.

Com um grupo de amigos movidos pela entrega às causas sociais, ajuda a criar a Associação de Beneficência e Socorros Amadeu Duarte e, no âmbito dessa actividade, inaugura na Parede o pequeno Hospital Amadeu Duarte onde era possível encontrar o conhecimento de ponta na área da tuberculose óssea que Artur de Azevedo Rua havia adquirido em formações variadas concretizadas com os melhores especialistas existentes no estrangeiro.



Reconhecido o seu esforço e sendo visíveis os resultados da sua excelência médica, será a partir de 1947 convidado para Director do Hospital Dr. José de Almeida onde reformula as práticas cirúrgicas, introduz um moderno serviço de Raio X e o transforma numa das mais conceituadas e modernas unidades cirúrgicas para o tratamento da tuberculose óssea existentes na Europa.

Com base no prestígio alcançado, funda A SPOT – Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia, cuja primeira reunião decorre no Hotel Atlântico no Monte Estoril, em 1947.

A entrega abnegada de Artur de Azevedo Rua à medicina, numa permanente e tenaz luta contra o desinteresse generalizado dos seus pares e a gritante falta de meios técnicos e humanos que afectavam o Cascais de então, fizeram toda a diferença na vida de muitos milhares de doentes que nele procuraram o alívio para as suas dores. Ele mudou literalmente as vidas dos seus pacientes, deixando atrás de si um legado de saber e de conhecimento que fez perdurar os frutos da sua excelência.

Com a sua morte, em 1986, chegou ao fim um dos mais importantes capítulos da história da medicina em Portugal, mas a sua herança, bem visível ainda hoje nos hospitais de Cascais e na Vila da Parede, perdura no tempo.




Esquecido pelas entidades ditas competentes e avesso a homenagens que considerava pouco pertinentes, Azevedo Rua recebeu da Presidência da República Portuguesa a Grã-Cruz da Ordem da Benemerência e de Oficial da Ordem Militar de Cristo.

A sua memória confunde-se com a Memória Colectiva de Cascais e da Parede, sendo certo que o seu exemplo é pilar estrutural inabalável da Identidade Cascalense. É essencial recuperar a sua história extraordinária porque dela depende a defesa da excelência desta Nossa Terra. 

A bem de Cascais!

quinta-feira

Nossa Senhora da Encarnação em Arrouquelas – Rio Maior



por João Aníbal Henriques

Reza a lenda que, há muitos anos, nos tempos em que mouros e Cristãos se digladiavam pela posse das úberes terras ribatejanas, Nossa Senhora terá aparecido nos campos de Arrouquelas a um grupo de pobres criancinhas.

A história, cujos contornos mais efectivos se perderam já nos escolhos brumosos do tempo, surge em linha com muitos outros relatos de aparições e de milagres acontecidos nos recantos encantados destas terras tão especiais, com especial relevo, neste ano de centenário, para as aparições marianas de Fátima em 1917.




E, tal como na Cova da Iria e, anos mais tarde, na Asseiceira, as aparições de Nossa Senhora em contexto rural dão sequência a outras histórias e lendas que cruzam o romantismo bucólico das mouras encantadas, à simbologia profunda e sentida do apego e da Fé na Mãe de Jesus. Aqui, em Arrouquelas, diz-se que algures nas imediações da actual igreja de Nossa Senhora da Encarnação está enterrado um pote de ouro com um tesouro mouro… E, sendo assim que o fumo da tradição popular nos aproxima da verdade histórica, será também certa a possibilidade de a actual igreja ser o reaproveitamento natural de uma antiga mesquita árabe que, colocada no centro de um território úbere do qual dependiam as populações, centralizaria o culto a Alá a partir das práticas maometanas que tão importantes foram na definição dos arquétipos ancestrais da Portugalidade.

A própria Encarnação de Nossa Senhora, processo profundamente alquímico de transformar em carne o espírito de Deus, traduz na essência a condição privilegiada em que este tipo de recantos desenvolve uma espiritualidade arreigada e sã, deixando transparecer nos actos de culto grande parte daquilo que é a pedra basilar da sua existência vivida.




Mas, em termos de factos históricos, pouco se sabe sobre as origens da Igreja de Nossa Senhora da Encarnação.

Uma inscrição colocada na fachada posterior da igreja, e que terá sido reencontrada durante uma das campanhas de obras que recentemente ali se fizeram, indica a data de 1718. Mas os factos apontam para que a igreja seja bastante anterior…

De facto, quando em 1739 as autoridades de Rio Maior solicitam ao Rei a autorização para criarem uma feira na localidade, que viria basicamente a substituir a antiga feira de Arrouquelas, já há muito tempo existia neste espaço uma comunidade assente no aproveitamento das potencialidades agrícolas do solo e, por isso, uma actividade comercial sustentada e sustentável que congregaria à sua volta um manancial de riqueza que não seria certamente desprezível.




E alguns anos antes, quando em 1634 a Irmandade de Nossa Senhora de Arrouquelas solicita ao Estado o alvará de que necessitava para regularizar a sua feira anual, já avança com a necessidade de avançar com obras de renovação e embelezamento na sua igreja. Ora, como facilmente se entende, o estado avançado da organização presente no espaço não se compadece com a inexistência de um templo e, por isso, será natural que a tradição popular que anuncia a igreja como o corolário de um processo paulatino de adaptação de um qualquer templo anterior, seja verdadeira, explicando o processo que culmina no surgimento do edifício que hoje conhecemos.

Qualquer que seja a verdade relativamente às suas origens ancestrais, que só poderão vir a ser desvendadas de forma definitiva com uma intervenção arqueológica consistente, o certo é que a igreja actual apresenta uma definição espacial desconcertante e diferente. De forma inesperada, a sua colocação num barranco de características amplas parece contrariar a orientação no espaço. O adro, espaço sagrado de excelência, define-se a partir da extrema do terreno, a ponto de ter de ser sustentado por um talude de alguns metros de altura que, embora abrindo a paisagem para o espaço envolvente, restringe de sobremaneira o seu crescimento, contrariando assim a natural apetência para que se tivesse procedido a uma implantação espacial completamente diferente.

O relógio de Sol que recentemente foi reimplantado no terreno, marcado com a data de 1869, é outro dos elementos sui generis desta igreja extraordinária. O contexto artístico em que foi definida a sua orientação, rodeado por uma rosa dos ventos de forma circular que o rodeia envolvendo o espaço num enquadramento cenográfico próprio das velhas tradições megalíticas de cunho alentejano, transporta todo o espaço para uma dinâmica de Fé transcendente, ajudando a consolidar as histórias e as lendas e contornando de forma assaz curiosa o conjunto de factos arreigados que caracterizam o povoado e as suas gentes.



Com data de 1918, marcando também ela um período pungente da História de Portugal, existe ainda um painel de azulejos oferecido pelo Arrouquelense Abílio Reis, em paga pela intervenção de Nossa Senhora da Encarnação em defesa dos jovens locais que engrossaram as tropas Portuguesas durante a primeira Grande Guerra.  O carácter polícromo deste painel, no qual a expressão da Encarnação de Nossa Senhora  se define de forma atípica e profundamente deslocada no tempo, reforça anda mais a indefinição em torno das características deste espaço, bem como a sua importância na definição daquilo que foram, são e serão os sentimentos identitários na comunidade vivida de Arrouquelas.

Seja qual for a sua História verdadeira, e os factos concretos que transformaram a Igreja de Nossa Senhora da Encarnação de Arrouquelas num dos mais importantes e significativos monumentos do Concelho de Rio Maior, o certo é que todo o espaço em que o edifício se insere está carregado de simbolismo. Ele traduz, até pelas características que apontámos na sua versão cruzada com as histórias e lendas que o acompanham, um quadro de ligação perene aos ritmos da natureza, em linha com aquilo que sempre foi o sustento principal das comunidades que ali viveram.




Pelo que não  nos dizem os documentos e pelo que todo o edifício deixa perceber, valeria a pena aprofundar em termos científicos o conhecimento em torno deste monumento, até porque a sua significação profunda, misto de laivo de Fé e de capacidade de empreendimento, determinam de forma cabal a nossa percepção em relação àquilo que é efectivamente o concelho e as suas gentes.

Vale a pena, por tudo isto, fazer o desvio que nos leva a Arrouquelas para conhecer, explorar e adivinhar este recanto magnífico e tão diferente!

A Vila da Marmeleira em Rio Maior




por João Aníbal Henriques

A inscrição patente na Igreja de São Francisco de Assis, na Vila da Marmeleira, Concelho de Rio Maior, marca a data terrível de 1755. Mas, contrariamente ao que se possa apensar, nada tem a ver com o grande terramoto que afectou Lisboa e arredores nesse mesmo ano. Pelo contrário, o ano de 1755 marca para a Vila da Marmeleira o apogeu de um processo de crescimento que culmina na sua emancipação em relação a Assentiz e a sua afirmação enquanto comunidade de grande importância no devir histórico e administrativo do concelho.

De facto, com raízes históricas que se perdem no tempo, Marmeleira deve o seu nome a uma árvore com o mesmo nome que terá sido lendariamente trazida da Índia por António Faria no Século XVI. Mas já existira certamente muito antes disso, uma aglomerado habitacional neste espaço, tal como o atestam os achados arqueológicos no monte de São Gens e, sobretudo, as provas de ocupação do período muçulmano que abundam nas redondezas.




A Igreja da Marmeleira, dedica a São Francisco de Assis, terá sido construída originalmente no Século XVII pelo Abade de Alcobaça como resposta aos muitos problemas que as cheias periódicas que afectavam o Concelho de Rio Maior traziam aos seus habitantes. De facto, o riacho que vem de São João da Ribeira e que atravessa a actual freguesia em direcção ao Rio Maior, transbordava várias vezes ao ano, impedindo os moradores da Marmeleira de chegarem à igreja para assistirem à Missa. Por isso, o novo templo, em forma de pequena ermida rural, terá sido edificado nessa altura, atestando a importância da localidade e dos seus moradores .

A referida data de 1755, que ainda hoje se mantém na fachada da igreja, refere-se assim a campanhas de obras efectuadas nessa data, sendo que as mesmas terão sido refeitas, já no Século XX, dotando a igreja da sua actual configuração. Do templo original, singelo na sua formulação chã e em linha com aquilo que terá sido, desde sempre, a principal estrutura económica do local, sobra somente um pequeno altar, agora dedicado a Nossa Senhora da Conceição, que se mantém incólume no interior da igreja.




São Francisco de Assis, a quem o templo foi dedicado, é agora a figura-mãe da devoção religiosa do povo da Marmeleira. As suas festas anuais, que misturam a ligação ancestral à Rainha e Padroeira de Portugal com a apologia da pobreza preconizada por São Francisco, são tradutoras privilegiadas do linear percurso histórico desta recanto de Portugal, denotando a ligação eminente e profunda à natureza e aos seus ciclos agrícolas, bem como ao despojamento efectivo perante a grandiosidade e a pujança de Deus. Os Marmelenses, vocacionados para uma vida devotada à terra e aos seus frutos, constituem assim a referência primeira de uma localidade que se concretizou a partir das exigências e as vicissitudes impostas pela água e pelas agruras do tempo, mas que delas depende para o esforço quotidiano da sobrevivência e da existência humana.

Isto é bem visível na própria localização da povoação, colocada de forma segura a uma altitude de cerca de 100 metros para evitar possíveis influências nocivas da subida dos níveis das águas, bem como na sua relação com a paisagem envolvente.

Dos equipamentos que hoje compõem o património da Vila da Marmeleira, para além da Igreja de São Francisco de Assis, fazem parte o miradouro, o tanque de lavagens comunitárias e a fonte de chafurdo. Todos eles, atestando a antiguidade da ocupação humana do território e a sua vinculação agrícola, se situam em planos de inferioridade relativamente ao centro da povoação, mostrando que o seu crescimento de faz a partir desse esforço de sobrevivência e explicando o apelo à singeleza que todo o conjunto urbano nos oferece.




Digno de nota especial, pela importância iconográfica que possui, é o painel de azulejos neo-clássicos que decora o espaço da Fonte dos Namorados. Este manancial de água, provavelmente nascente natural que terá sido aproveitada pelo menos desde a época romana, é de crucial importância na definição dos principais eixos de crescimento da Vila da Marmeleira. O veio principal, oriundo do pequeno morro onde se ergue a igreja, será provavelmente o que resta da antiga fonte de chafurdo que terá abastecido a região.

Na iconografia que ilustra este espaço, que até pelo seu nome indica a importância que enquanto espaço central de sociabilização, é possível ver as juntas de bois, os lavradores e as lavadeiras que noutros tempos deram corpo à sociedade Marmelense. Apesar de simbólica, esta recuperação daqueles que terão sido os estereótipos principais n localidade permite-nos compreender a forma como é dessa componente rural, miscenizada provavelmente com a componente militar que resulta da posição de grande importância estratégica que toda esta região teve noutros períodos da História, que depende o devir quotidiano das comunidades, num acto de entrega aos redutos primevos da natureza que se espraia na forma como se definem os arruamentos, se constroem as casas e se criam os espaços de uso colectivo.




Nos lavadouros públicos, situados a poucos metros da Fonte dos Namorados e aproveitando o manancial de água que ali é captado, encontram-se presentes os mesmos motivos iconográficos, sendo que o painel azulejar, de fábrica mais recente e marcado com a data de 1934, nos aponta precisamente a simpatia como o principal epíteto da Vila a Marmeleira.

Elevada à categoria de vila em 1927, pela mão do então Presidente da República Marechal Carmona, a Marmeleira é freguesia desde 1878. O final do Século XIX, com a autêntica revolução que se concretiza na agricultura Portuguesa, é o início do período de maior fulgor da História da Marmeleira, acompanhando o crescimento da antiga freguesia a partir da consolidação das novas práticas agrícolas e dos produtos que se foram afirmando comercialmente na região.




Airosa, bonita e simpática, a Vila da Marmeleira é actualmente um dos mais encantados recantos do Ribatejo, preservando o carácter rural do seu nascimento mas incluindo uma série de benefícios urbanos dignos de povoação com maior dimensão e mais fama. O largo do corte, situado nas traseiras da igreja, dá conta de uma vivência comunitária que se mantém activa,  ao mesmo tempo que nos oferece pistas importantes para compreender aquilo que foi a evolução da freguesia desde o início do século passado. De salientar, pela importância que tem na compreensão deste devir, a placa epigrafada colocada junto ao miradouro, que sublinha precisamente o facto de as obras terem sido feitas em 1969 por iniciativa da comissão local de festas com o apoio da Junta de Freguesia e da Associação dos Amigos da Marmeleira.

Vale a pena estacionar o carro num dos muitos espaços existentes no centro da localidade e, com máquina fotográfica nas mãos, percorrer a pé os cantos e recantos deste espaço tão especial. Ali se encontrarão, para deleite de quem já pouco sabe sobre as raízes rurais de Portugal, os vestígios ainda bem vivos de uma prática em que homem e natureza convivem em sã harmonia, num pleito de simpatia cuja índole pacífica se perpetua no espaço e no tempo.

terça-feira

A Torre Mourisca de São João da Ribeira em Rio Maior



por João Aníbal Henriques

A Torre Mourisca de São João da Ribeira, no Concelho de Rio Maior, é um dos mais significativos testemunhos da História do Ribatejo. Tem, por um lado, agregado a si a aura lendária da sua relação aos mouros, durante o período de ocupação Árabe da Península Ibérica e, por outro lado, tem também o impacto visual que resulta da sua sobranceria em relação à povoação que a envolve.

Não sendo um documento, no sentido tradicional do termo, basicamente por pouco se conhecerem as suas origens, é certamente um marco de memória de um dos períodos mais conturbados e importantes da formação e consolidação da nacionalidade Portuguesa.




De acordo com a documentação existente, a Torre Mourisca de São João da Ribeira terá sido edificada no ano de 1111. Misto de vigia e de atalaia, com o seu coruchéu engalanado com as ameias que serviam de protecção, terá servido como posto avançado de controle das investidas cristãs durante as guerras da reconquista cristã que Dom Afonso Henriques levou a afeito. De facto, no período em questão, foi nestes espaços de ninguém, nos quais a incerteza política reinava, que se escreveram as mais heróicas e importantes páginas da historiografia medieval, definindo dinâmicas de aculturação que haveriam de promover a transição entre os dois poderes políticos de então.




A cristianização da Península Ibérica, definida no actual território concelhio de Rio Maior a partir de um esforço de integração das antigas estruturas árabes (e possivelmente também da populaça e das elites religiosas locais…) nas ovas estruturas Cristãs, recria realidades de transição que atestam a forma como tudo se passou e a importância que a actuação de conquistados e de conquistadores teve para que a medievalidade se tenha imposto sem custos de maior para as populações.

Agregada à Torre Mourisca de São João da Ribeira, é hoje possível visitar a Igreja de São João Baptista que, para além de cristianizar toda a imagética associada à figura ascética do baptista, recupera também de forma simbólica a própria organização espacial do lugar.  A nova igreja cristã, singela como o são todos os espaços de culto que foram edificados durante este período remoto da implantação da nova fé no território nacional, será com toda a certeza o reaproveitamento da antiga mesquita muçulmana, num devir devocional do qual fazem parte as estruturas simbólicas de ambas as religiões.




A sacralidade associada à Torre Mourisca, bem visível na sua ligação à igreja e ao cemitério actual, define o eixo orientador do próprio desenvolvimento urbanístico da localidade, estabelecendo uma organização espacial a que não é alheia o próprio carácter subjacente ao terreno onde a mesma se insere. Reza a lenda local que, por exemplo debaixo do grande cruzeiro oitocentista que se encontra colocado junto ao adro da igreja, existem um conjunto de sepulturas antigas do período muçulmano que o dito monumento, marcando de forma perene o espaço em questão, pretende cristianizar e, dessa maneira, sacralizar. Só que, como facilmente se percebe, todo este ensejo de demarcar estruturas de fé, se dissolve na puerilidade de crenças ancestrais. De facto, o carácter simbólico subjacente aos enterramentos originais não se altera, antes se modificando, mas somente num plano de simbologia, a orientação específica que determina a sua natureza. A islamização do actual território rio maiorense, tal como, alguns séculos mais tarde, a sua re-cristianização, define-se a partir desta praxis de aceitação, apesar de os testemunhos materiais que nos restam parecerem apontar para uma cisão que efectivamente nunca existiu.


Tendo sido recuperada em 2016 pela Câmara Municipal de Rio Maior, a Torre Mourisca de São João da Ribeira é hoje um marco inultrapassável numa visita ao Ribatejo, impondo na paisagem a agrura do seu perfil branco e recuperando as memórias do espaço envolvente.